Cronología do acontecido durante o despejo do Csoa Escárnio e Maldizer

Defendamos os centros sociais, defendamos o Escárnio e Maldizer

30 de maio, 8 da manhá, começa a mover-se a informaçom de que há duas grileiras da nacional cortando a rua da algália de riba. As primeiras pessoas que se achegam, confirmam as suspeitas. Estam desalojando o c.s.o.a. escárnio e maldizer.
Começamos a achegar-nos ate ali, e vemos que diante da porta do centro social, umha grua, protegida por agentes armados, esta tapiando portas e janelas com cimento e ladrilho. Ao cabo dum tempo chegamos a ser 15 e, cumha faixa colocamo-nos fronte ao cordom policial, mentres berramos, os maderos empurram-nos para nos apartar, ao ver que nom marchávamos, começam a cargar, ferindo a várias companheiras e retendo a duas de-las.
Passados uns 20 minutos, forma-se umha concentraçom dumhas 50 pessoas no lugar.
O nosso centro social estava sendo desalojado depois de três anos.

30 de maio, 20h da tarde. Centos de pessoas concentramo-nos na praça 8 de março, para denunciar o desalojo, depois duns minutos começamos a sair cara a zona velha.
Chegamos à praça do pam, a polícia corta-nos o passo cara o preguntoiro, nós, imos igual, depois dumha carga dispersamo-nos e, a continuaçom ocorrem várias horas de distúrbios pola zona velha, onde há confrontos com a polícia que com porras e pelotas de goma fere de gravidade a várias companheiras.
Um companheiro, devido a um dos golpes da polícia, cae inconsciente ao cham, ainda assim, a polícia decide esposa-lo e rodea-lo para que ninguém se puidera achegar a el.
Com a brutalidade que os caracteriza, negam-se a que umha ambulância passe para leva-lo ao hospital e o arrastram ainda inconsciente a um carro da polícia que, tempo depois, leva-o ao hospital.
O compa tem que passar a noite no calabouço, a pesar da gravidade das lesions, solta-no ao dia seguinte nos julgados.
31 de março, 9h da manhá, convoca-se umha numerosa concentraçom em comissária que sai em manifestaçom ate os julgados, exigindo a sua liberdade e mostrando solidariedade.
A gente do escárnio sentimos a necessidade de agradecer todas as mostras de apoio e solidariedade recebidas, que nom deixam de chegar. A grande resposta coletiva demostra todo o trabalho feito estes anos nos que puidemos construir umha amplia rede e criar um espaço que merece a pena defender.
Adiante a criatividade, qualquer forma de expressar a raiva é legítima, para nós fica claro que isto nom vai quedar assim.

Também avisar de que o sábado 10 de Junho haverá umha manifestaçom nas ruas de Compostela para denunciar o desalojo e a represom ao movimentos sociais. Nos próximos dias daremos mais informaçom da convocatória.

10,100,1000 centros sociais!

Advertisements

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s